Gestão Consciente do Dinheiro, voce faz?

O consumo inconsciente é o pior inimigo do equilíbrio financeiro. Portanto, quem reflete de forma constante sobre as suas reais necessidades de consumo tende a ter uma Vida familiar mais equilibrado.

Quando falo em Gasto Consciente, quero me referir a maneira com a qual lidamos com nosso Orçamento. Geralmente nós efetuamos a maior parte dos nossos gastos pessoais por impulso. Alguns meses atrás, fiz uma pesquisa com nossos seguidores no Facebook, onde perguntamos exatamente qual o tipo de consumidor as pessoas se enquadrariam. O resultado da pesquisa foi alarmante, pois 67% das pessoas se enquadraram como Consumidores Compulsivos.

Isto acontece muitas vezes porque não verificamos a real necessidade de aquisição de um produto ou serviço. Em nosso post “Aprendendo a Gastar: Qual seu perfil de Consumo” (http://wp.me/p2hxwj-15) procurei, baseado em estudos de comportamento, definir o que nos faz a consumir e como somos rotulados. Para estreitar mais ao longo deste ano de existência, mantive contato com diversas pessoas, através de palestras e atendimentos particulares, onde foi possível constatar que a maior parte das decisões de compras não obedecem nenhum critério. A maioria das pessoas Compram pelo simples Ato de Comprar. Vale a pena visitar o post onde falo sobre A Doença do Consumo, a Oniomania (http://wp.me/p2hxwj-5v) .

A nossa proposta neste post é difundir o padrão de Gestão Consciente do nosso dinheiro. Na verdade, é trazer algo que já fazemos em nossa Vida Profissional. Em nosso trabalho sempre somos orientados a economizar, cuidar e maximizar a utilização dos recursos que temos disponível para desempenhar nossas atividades. É assim que funciona no mundo corporativo, sem cometer desperdício. Então, porque não adotar o mesmo modelo?

Primeiro Passo: Reflita e se pergunte antes de sair comprando. Portanto, toda vez que for comprar, pergunte-se se o produto que você quer comprar vai agregar alguma coisa em sua qualidade de vida. Se tiver dúvida entre comprar ou não comprar, deixe para outro dia.

Segundo Passo: Uma vez tomada a decisão de comprar, pesquise em outros lugares e na internet . Compare preço e qualidade.

Terceiro Passo: Definido o lugar da compra, negocie preço, escolha o meio de pagamento mais adequado e, se possível, escolha pagar a vista e de preferência com desconto.

Este roteiro simples adotamos em nossa atividade profissional em todas as áreas, seja solicitando serviços internos, comprando materiais ou negociando com nosso chefe.

Mas, a nossa vida pessoal tem uma dinâmica diferente e não suportaríamos ser tão racionais e metódicos assim. Precisamos de liberdade, algo mais simples que nos ajude a fugir dos impulsos da mídia e do clima de consumismo criado. Na verdade somos bombardeados a consumir diariamente. Quem nunca comprou um aplicativo para o seu telefone celular sem ter necessidade ou porque é legal?

A Gestão Consciente começa com algo mais simples, porém eficiente. Quando for comprar alguma coisa, tenha em mente as seguintes perguntas e seja sincero em suas respostas:

Eu preciso realmente disso?
Para que?
Precisa ser agora?
Eu tenho dinheiro disponível?

O nosso principal desafio é ter atitudes conscientes e equilibradas em todos os aspectos de nossa vida, o que não é algo fácil. A nossa condição financeira, a maneira com a qual administramos nosso dinheiro, influencia diretamente em nossa qualidade de Vida. Nós sabemos como ganhar dinheiro e torna-se importante aprender a gastá-lo de maneira sustentável.

A felicidade esta diretamente ligada a um padrão de vida equilibrada. O dinheiro faz parte disso e nos ajuda a conquistar nossos sonhos, construir a realidade que queremos.

Você está On ou Off? Mais uma vez um vídeo que merece ser assitido, divulgado, compartilhado. Powered by Deivison Pedroza.

Oniomania: Comprar compulsivamente é sinal de doença

iStock_000020121946Large

 

 

 

Oneomania: Comprar compulsivamente é sinal de doença.

 

Vamos abordar um assunto, bastante sério e polemico neste post. Apesar deste distúrbio, não raro, estar cada vez mais presente, muitos ainda nem ouviram falar em Oneomania: “doença da dívida”.

 

O termo Oneomania (do grego onios, à venda, e mania, insanidade) é o termo técnico para o desejo compulsivo de comprar, mais comumente conhecido como síndrome do comprar compulsivo. O termo foi inicialmente utilizado por Kraepelin em 1915 e Bleuler em 1924.

Várias figuras históricas apresentaram episódios de compras em excesso. A rainha francesa Maria Antonieta era conhecida e odiada por seus excessos. Na mesma lista figuram nomes como Jackeline Kennedy Onassis, Imelda Marcos e a Princesa Diana. Segundo seus biógrafos, os episódios de compras desreguladas custaram-lhes dinheiro, problemas pessoais e, no caso de Maria Antonieta, a própria vida.

 

Embora tenha sido descrita há mais de cem anos, só nos últimos 15 anos a doença voltou a ser estudada. Porém, ainda pouco abordada virtualmente e em discussões sobre saúde mental. No entanto, o quadro parece estar a aumentar globalmente e seu desenvolvimento é fértil no mundo moderno. Com o advento de catálogos de compras pelos correios; canais de televisão dedicados a vendas e compras pela internet.

 

Se de fato estas figuras apresentavam oneomania, é um bom motivo para especulações.

 

O desejo incontrolável de gastar tem tratamento: inclui acompanhamento psicológico e medicação. Mas, é fundamental que a pessoa reconheça que está doente e precisa de ajuda.

Assim como, em qualquer quadro de dependência, consta que, dependentes compulsivos demoram a assumir seu problema. A idade média de início da doença é aos 18 anos, no entanto o comportamento só é percebido como problemático, 10 anos mais tarde.

 

Uma pessoa pode passar anos comprando compulsivamente e adquirindo dívidas, de até dez vezes a sua renda mensal, até perceber que sofre de uma doença. A ajuda só é procurada quando a situação financeira, da pessoa, chega a uma condição insustentável, comprometendo com frequência, também a situação familiar.

 

Para ajudar, a identificar este tipo de comportamento:

 

 

  1. Preocupações ou compras mal adaptadas como indicadas pelos seguintes
  • Preocupações ou impulsos frequentes, que são sentidos como irresistíveis, intrusivos ou sem sentido.
  • Compras frequentes, de mais do que se pode pagar. Itens que não são necessários ou comprar por períodos maiores do que planejado.
  • Evidência de sofrimento, o consumo do tempo, a interferência significativa do mau funcionamento social ou ocupacional, ou problemas financeiros.

 

  1. Não ocorre exclusivamente durante períodos de hipomaníaca ou mania.

Segundo a literatura científica no assunto, do dinheiro gasto pelos compradores compulsivos, 96% os gastam em roupas, 75% compram sapatos, 33% maquiagem, 42% jóias, 21% CDs e 25% gastam com itens colecionáveis.

 


 

Aqui no blog e em nossa página no Facebook, fizemos uma pesquisa onde perguntamos as pessoas como elas se julgavam enquanto consumidores.

A maioria, gritante, se julgou compulsivo.

 


 

 

Para os leigos, algumas perguntas podem ajudar a avaliar comportamentos de compras:

  • Você se sente preocupado\a em demasia com o ato de comprar ou gastar dinheiro?
  • Você acha que seu comportamento de comprar é excessivo, impróprio ou descontrolado?
  • Seus desejos, urgências, impulsos, comportamentos ou fantasias sobre comprar consomem muito tempo e lhe deixam chateado\a ou culpado\a e ocasionam sérios problemas na sua vida?

 

Como reconhecer se você é tem características de um comprador compulsivo?

Compradores compulsivos, quando se sentem deprimidos compram ou gastam para sentir-se melhor. Eles comprar para sentir um efeito euforizante, de certa forma semelhante a um toxicodependente, que usa drogas para conseguir um “barato”. Em geral, quanto mais caro ou mais supérfluo o item comprado (por exemplo, jóias), maior o efeito euforizante. As compras compulsivas afetam mais mulheres que homem e em geral o comprador gasta em coisas que não precisa. As festas de fim de ano ou datas comemorativas caracterizadas por compras fazem com que todos nós gastemos mais do que planejado. Todos, sofremos com compras compulsivas nestas épocas, que chamamos de “binge”( excesso de consumo em curto período de tempo). Um comprador compulsivo apresenta diversos períodos de “binge” por ano e estes podem ser restritos a apenas um tipo de compra, como sapatos, por exemplo. Na casa de um comprador compulsivo podem se encontrar pilhas de objetos comprados ainda com as etiquetas. Muitas vezes compra-se roupas ou sapatos que nem mesmo servem. Alguns nem mesmo se lembram de tê-los comprado. Quando a família começa a reclamar do comportamento, o comprador compulsivo começa a mentir ou a comprar escondido e a esconder os objetos pela casa. Conforme as dívidas começam a acumular e os relacionamentos interpessoais sofrem.

 

 

Oneomania

 

Tratamento

Como o transtorno, ainda não é bem definido na literatura científica, mas, diversos tratamentos têm sido propostos:

  • Psicoterapia (seja ela, psicanalítica; cognitiva-comportamental)
  • Tratamento com medicamentos
  • Para os casos mais graves: mudança de hábitos

 

Mudança de hábitos

Para prevenir compras compulsivas, a orientação é, a alterar alguns hábitos. Que, aliás, são ótimos, para qualquer um que queira equilibrar-se financeiramente em suas vidas, apresentando ou não a oneomania:

  • Compre apenas com dinheiro e cartão de débito.
  • Destrua seus cartões de crédito, deixando apenas um guardado em local seguro, para o caso de emergências.
  • Faça listas de compras e só compre o que está na lista.
  • Evite lojas em promoção! Se você for a uma, tenha consigo a quantia certa de dinheiro que queira gastar.
  • Só passeie para ver vitrines, quando as lojas já estiverem fechadas. Se você for passear e vir lojas ou vitrines em horário comercial, deixe sua carteira em casa.
  • Não receba catálogos de compras, por telefone ou internet em casa. Se eles chegarem pelo correio, jogue-os direto no lixo. Não assista canais de compras!
  • Se, você for viajar para ocasiões festivas, compre os presentes e embrulhe-os antes mesmo de sair de casa.
  • Nomeie os sentimentos: Porque você compra? Porque está deprimido? Porque está entediado? Porque está se sentindo mal?
  • Exercite-se, quando o impulso de comprar aparecer.
  • Evite lugares e pessoas, que fazem com que você gaste dinheiro.
  • Leve um amigo, em quem possa confiar se tiver que fazer compras.

 

  • Pergunte a si mesmo: eu realmente preciso disto, ou estou comprando só porque o quero?
  • Lembre-se! Se você está se sentindo fora de controle, é porque realmente está.
  • Procure ajuda de um profissional de saúde mental para avaliação.

 

 

%d blogueiros gostam disto: