Imposto de Renda 2017 – Este ano o Leão esta na espreita!

leoes_006

 

O Blog, a partir deste ano, irá acompanhar todo  cronograma da declaração de imposto de renda para pessoas físicas. Aqui você poderá tirar algumas dúvidas e  fazer consultas .  Nosso objetivo é prover ferramentas e dicas para que você possa adequar-se exatamente ao que é requerido pela Receita Federal.

Neste ano a receita trouxe algumas pequenas novidades no intuito de auxiliar o contribuinte na confecção da declaração.

Segue aqui o cronograma inicial para 2017:

O Programa do IRPF contempla, além da Declaração de Ajuste Anual da Pessoa Física, vários programas e aplicativos que visam facilitar o cumprimento das obrigações tributárias por parte dos contribuintes. Para 2017, os programas e aplicativos são os seguintes:

· Programa Gerador da Declaração do Imposto sobre a Renda da Pessoa Física para o exercício de 2017, ano-calendário 2016
· Programa de Apuração dos Ganhos de Capital – GCAP2017
· Programa Carnê Leão 2017
· Rascunho da Declaração (aplicativo que possibilita efetuar um rascunho da declaração a ser entregue no ano seguinte)

Informa-se também que na segunda quinzena de janeiro será publicada Portaria Ministerial com a Tabela de Reajuste do Salário de Contribuição para fins de aplicação das alíquotas da Contribuição Previdenciária no ano de 2017.

A tabela do imposto foi corrigida em 5% e será divulgada oficialmente pelo site da receita na segunda quinzena de janeiro. Atualizaremos aqui no blog

Outra dúvida comum é quem deve fazer a declaração do imposto de Renda:

  •  Quem recebeu um rendimento tributável anual maior do que 28 mil reais, ou seja, pessoas que recebiam uma média de salário maior do que dois mil reais. Esse acaba sendo um jeito de diminuição da desigualdade, evitando com que famílias extremamente pobres tivessem que pagar ao Governo. Vale lembrar que os rendimentos referentes a benefícios previdenciários são passíveis de tributação; Consulte o INSS para conferir os seus valores tributáveis pelo IRPF.

  • Quem teve rendimentos não tributáveis acima de 40 mil reais. Esses rendimentos não tributáveis são aqueles, nos quais, o seu lucro é liquido, ou seja, você não precisa pagar nenhum imposto ao Governo com esse dinheiro ganho.
    Um exemplo de rendimento não tributável é o abono de férias e o vale transporte e vale alimentação. Outro exemplo clássico de rendimento na tributável são as bolsas de estudo, esses valores não passam por nenhuma tributação prévia.

Assim, se por acaso, o seu ganho nesses casos citados for maior do que 40 mil, você é obrigado a declarar seu imposto de renda e pagar a taxa estabelecida pelo Governo.

  • Para quem trabalha no campo, é obrigatório fazer sua declaração, caso o seu rendimento tenha sido acima de R$ 128.308,50 anuais, ou seja, um pouco menos de 12 mil mensais.
  • Para quem investiu na Bolsa de Valores, por menor que seja o valor investido, deve também fazer sua contribuição com o Governo, já que todo investimento na Bolsa, até mesmo de 100 reais, é tributado.
  • Produtor rural que não tenha pago o imposto de renda do ano anterior, para compensar perdas na terra, são obrigados a declarar o imposto de renda no ano seguinte, assim, um produtor rural não pode ficar dois anos sem pagar, exceto se ele ganhar menos de 128 mil reais por ano, pois, nesse caso, ele estaria isento do pagamento.
  • Quem tiver posse de terra ou imóvel no valor superior a 300 mil reais, por isso, mesmo quem ganha pouco, mas, possui uma ótima residência, acaba sendo obrigado a pagar ao Governo.

Lembre-se, depois de feita a declaração, é muito importante indicar o banco para recebimento.

Para aqueles que pretendem antecipar a restituição, comparem as taxas cobradas pelos bancos. Este processo nem sempre é vantajoso.

 

 

 

Os números de 2015

Os duendes de estatísticas do WordPress.com prepararam um relatório para o ano de 2015 deste blog.

Aqui está um resumo:

A sala de concertos em Sydney, Opera House tem lugar para 2.700 pessoas. Este blog foi visto por cerca de 46.000 vezes em 2015. Se fosse um show na Opera House, levaria cerca de 17 shows lotados para que muitas pessoas pudessem vê-lo.

Clique aqui para ver o relatório completo

Conta Salário: O que se deve saber para usar corretamente

A cada novo dia recebo mais e mais perguntas sobre a utilização da conta salário. Na maioria das vezes, percebo que a desinformação está presente entre os próprios correntistas mas também,  entre os funcionários das agências bancárias.  Então, vamos discutir a seguir, as principais regras que regem a abertura e utilização da conta-salário.

Por definição, a conta salário,  é uma conta aberta por iniciativa e solicitação do empregador para efetuar o pagamento de salários aos seus empregados. Ela não deve ser uma conta para movimentação, para receber depósitos, somente para receber o crédito do salário e também PLR, soldos, pensões, vencimentos e similares.

Os bancos são obrigados a abrir conta salário no caso de serem contratados pelo empregador para a prestação do serviço de pagamento de salários. O contrato entre o empregador e o banco deve conter as condições e os procedimentos para a efetivação dos pagamentos aos beneficiários, inclusive as eventuais condições e restrições quanto à abertura da conta salário e aos canais de atendimento.

Mas vamos lá! Seguem os procedimentos e  regras para o empregador, trabalhador e para os bancos

  • É vedada a cobrança de tarifas pela utilização da conta salário para a transferência automática dos recursos para outro banco (portabilidade do salário) e para:

  • Fornecimento de cartão magnético, a não ser nos casos de pedidos de reposição decorrentes de perda, roubo, danificação e outros motivos não imputáveis à instituição financeira;

  •  Realização de até cinco saques, por evento de crédito;

  • Acesso a pelo menos duas consultas mensais ao saldo nos terminais de autoatendimento ou diretamente no guichê de caixa;

  • Fornecimento, por meio dos terminais de autoatendimento ou diretamente no guichê de caixa, de pelo menos dois extratos contendo toda a movimentação da conta nos últimos trinta dias;

  • Manutenção da conta, inclusive no caso de não haver movimentação;

  • A conta salário não pode ser movimentada por cheques. Ou seja, o banco não é obrigado a fornecer talão de cheques para o correntista;

  • Direito a fazer PORTABILIDADE do salário sendo que, a transferência automática dos recursos pela instituição financeira deve ser realizada no mesmo dia do crédito feito pelo empregador, até às 12h00, por meio de TED.

O empregado beneficiário dos pagamentos pode optar por  utilizar a conta salário para usufruir de outros serviços bancários. Nesse caso é admitida a cobrança de tarifas por esses serviços ou pela realização de saques e consultas acima da quantidade gratuita prevista. A realização de transferências parciais por meio de DOC ou TED também pode acarretar a cobrança de tarifas. Porém, tudo depende do acordo firmado entre a empresa e o banco.

O processo todo é muito simples mas, é preciso prestar bastante atenção para que seus direitos não sejam esquecidos.

Abaixo voce pode comentar sobre o post, enviar suas dúvidas e compartilhar suas experiências.

Até o próximo

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Pagador de Contas: Quer continuar sendo um?

Há alguns meses venho ilustrando alguns tipos de comportamento que influencia nossa maneira de agir na sociedade. Discutir sobre qual é o destino mais equilibrado para nossa renda e que nosso foco requer um pouco mais do que simples observações. Vivemos em tempos da sociedade de consumo, definido assim no Wikipédia: “ Sociedade de Consumo é um termo utilizado para designar o tipo de sociedade que se encontra numa avançada etapa de desenvolvimento industrial capitalista e que se caracteriza pelo consumo massivo de bens e serviços, disponíveis graça a elevada produção dos mesmos.” Esta definição está perfeitamente alinhada com o pensamento econômico e não há nada de errado.

Quando falamos em finanças pessoais, a primeira idéia que nos vem a mente é ligada diretamente as nossas despesas e a maneira como lidamos com elas. Isto porque somos orientados desde sempre no modelo voltado para consumir, para desfrutar imediatamente do consumo de bens, roupas, experiências e idéias. Enfim, toda a nossa atenção voltada para a capacidade do consumo de novos produtos, de novas falsas necessidades.

Independente de quanto ganhamos, R$ 500,00 ou R$ 50.000,00, a maioria das pessoas sucumbe aos apelos da mídia e gasta quase tudo que ganha. Poucos separam uma parte de sua renda para poupança. Existem várias histórias de pessoas que conseguiram aumentar a própria renda e prosperaram, mas que continuaram sem acumular reservas. No post “ Aprendendo a Gastar: Qual seu perfil de consumidor” (http://wp.me/p2hxwj-15) delineamos os tipos de comportamento de consumo mais comuns entre as pessoas. Somos assim, classificados pela nossa capacidade de adquirir bens, seja numa pesquisa oficial do IBGE ou em pesquisas de mercado. Todos os dias somos bombardeados por propagandas e influenciados a gastar e consumir mais.

Neste blog, quero estimular as pessoas a adotar um modelo de gestão consciente de suas finanças. Um modelo que não é orientado para as oportunidades únicas, para as infindáveis promoções, cheques pré-datados para 60 dias, para a utilização do crédito fácil. É o modelo que visa o gasto consciente orientado a poupar para poder comprar.

A Gestão Consciente de suas finanças é orientar o destino de sua renda a realização de seus sonhos, mudando a atitude e crenças sobre o dinheiro. Na teoria é muito fácil, mas como funciona na prática? No post “ Crenças sobre o dinheiro: Quais são as suas? (http://wp.me/p2hxwj-4d) discuto o princípio do caminho para quem realmente acredita que pode mudar. Rever Crenças e conceitos sobre dinheiro está diretamente ligado ao nosso perfil de consumidor.

Atitude é o segundo passo e este, só depende de você. Abaixo segue um vídeo, que eu acredito que pode estimular a pensar no que realmente vale a pena. Experimente mudar e sinta que é possível.

Estou endividado, e agora?

iStock_000020658980Medium

Escrevendo meu roteiro

O Início do ano, impreterivelmente, sempre nos vemos diante de despesas fixas recorrentes. IPTU, IPVA, matrícula da escola, despesas adicionais do Natal entre outras. O que pretendo a seguir é detalhar dois roteiros em situações, Estável e Crítica, para ajudar a administrar essas despesas, que numa situação saudável, deve ser seguido ao longo do ano. Então vamos lá.

SITUAÇÃO ESTÁVEL

1. Detalhar as dívidas (valores totais, juros cobrados, prazos de pagamentos, garantias e credores).
2. Destacar o seu montante de despesas fixas mensais (aluguel, telefone, alimentação, etc.)
3. Levantar as receitas mensais. Se houver sobras do décimo terceiro, reservar para último caso.
4. Calcular quanto sobra após pagar as despesas fixas.
5. Existem saídas relativas a investimentos? Valor, prazos, etc.
6. Possibilidades:

a) chamar os credores e renegociar as dívidas dentro das possibilidades de sobra de caixa e prazos de pagamento;
b) buscar novos financiamentos menos onerosos – fugir do cheque especial e dos financiamentos de cartão de crédito;
c) refinanciar carros ou outros ativos com taxas inferiores do que o mercado oferece, pois está sendo dada garantia real;
d) trocar de ativos (exemplo: trocar o carro por um mais acessível;)
e) buscar acordos amigáveis que são menos onerosos.

SITUAÇÃO CRÍTICA

1. Quando as dívidas com juros começam a corromper o orçamento e a prejudicar a subsistência da família, e você tem que escolher entre sobreviver ou pagar juros, a melhor escolha é sobreviver.
2. Portanto, é melhor procurar seus credortes e iniciar um processo de renegocição e, parar de pagar essas dívidas temporariamente, e dedicar seus rendimentos apenas para pagar as dívidas básicas (moradia, alimentação, luz, água, etc.). O confronto com seus credores não deve ser duro, afinal voce contraiu as dívidas.
3. Abra uma poupança e guarde tudo o que sobrar no final do mês. Essa reserva será muito importante para você poder começar a ajeitar sua vida e saldar as dívidas com seus credores.
4. Nos primeiros dias, você começará a receber uma avalanche de cartas e telefonemas de seus credores. Mantenha sempre a calma e procure sempre a negociação. Na maioria dos casos, não passam de simples “ameaças”.
5. Telefonemas de empresas de cobrança: não atenda, troque de celular, priorize os contatos.
6. Certamente o seu nome irá para o SPC e SERASA. Conviva com isso e não compre mais a prazo.
7. Ações judiciais irão ocorrer quando existirem bens em garantia ou a dívida for elevada e você aparentar ter condições de pagar.
8. Depois de alguns meses, veja o quanto conseguiu guardar na poupança (Isso é muito importante, ou esses conselhos não servirão para nada).
9. Faça uma listagem dos credores, em ordem da maior para a menor dívida. Comece pela menor e pelos mais flexíveis.
10. Negocie com um de cada vez, e só aceite a proposta se for para pagamento à vista, com um bom desconto e que o valor caiba dentro do seu orçamento.
11. Não tenha pressa, você se endividou ao longo de meses (ou anos) e não será da noite para o dia que irá resolver “todas as suas dívidas”.
12. Todavia, lembre-se de ter disciplina e força de vontade. Você tem que economizar e tem que correr atrás de seus credores para quitar as dívidas!
13. Não adianta limpar o nome e entrar no buraco novamente.

Lembre-se sempre que a melhor maneira de viver é sempre ter equilíbrio e tendo conciência financeira para realizar seus desejos, sonhos e consumir o que quiser.

Primeiro, as pequenas coisas…

Pode ser um cafezinho no final da tarde ou um happy-hour de última hora. Se percebemos que estes pequenos gastos são frequentes e inesperados, eles podem desequlibrar nosso orçamento mensal. Não estou falando de proibição ou de abandono destes pequenos prazeres que podem mudar nosso dia ou até nossa semana. Basta se organizar e registrar para que voce possa incluir na totalização mensal das suas despesas.

Gastar muito ou pouco é algo subjetivo e depende de quanto voce ganha, de qual é seu padrão de vida e de qual o montante está reservado para estas despesas. Pode ser R$ 5,00 ou R$ 50,00, aqui o importante é que a soma destes pequenos gastos passe a fazer parte com folga do valor destinado aos gastos variáveis. Isso mesmo, definir um valor para ser utilizado com despesas de última hora.

Normalmente podemos achar que o esta tarefa vai dar muito trabalho e desistimos. Natural, é uma reação comum e previsível porque dificilmente estamos dispostos a mudar nossos hábitos e sair da nossa zona de conforto. Por isso, assim como na medicina, a prevenção de doenças que dependem da mudança de comportamento, a cura é mais trabalhosa. Somos seres humanos, somos animais de hábitos e o hábito enraizado é difícil de ser mudado. Mas se acreditarmos na possibilidade desta mudança e ver a realidade tal como ela é, sem mascáras, o ganho será imenso.

Então o próximo passo é tentar anotar cada centavo que se gasta, fazendo um Apontamento Diário de Despesas. Existem diversas maneiras e formulários disponíveis para smartphones. Para Iphone, use o apontador de Notas; celulares com sistema android, use o aplicativo da Jimbo; Blackberry, use o apontador de notas do sistema de email; ou pesquise no post de 20/04 http://wp.me/p2hxwj-1O (Voce conhece o GUT?).

Se voce deseja que sua vida continue exatamente como está, continue fazendo tudo examente como faz. Mas, se deseja mudá-la, comece mudando seus HÁBITOS.

Vamos em frente!

Dicas úteis para as compras mensais no Supermercado.

Fazer as despesas mensais no supermercado é um desafio quase todos os meses. Vários produtos novos, marcas concorrentes disputando os consumidores através da guerra de preços, promoters divulgando produtos dentro das lojas. Enfim, ir ao supermercado é um desafio que requer paciência e disciplina na maioria das vezes e, pelo tumulto de acordo com especialistas, é onde ocorre o maior desperdício no orçamento domestico.

Adquira alguns hábitos que podem ajudar na hora de enfrentar o desafio das compras e ajude o seu dinheiro a Render.

1 – Leve uma lista com os itens que são necessários para o bom andamento da casa no mês.
2 – Tente evitar horários comuns onde a loja esteja muito cheia. Ter calma no momento das compras ajuda na escolha dos produtos.
3 – Evite levar crianças. Isto ajuda a evitar o consumo excessivo.
4 – Procure estar relaxado e ter feito sua refeição antes. Isso ajuda na concentração.
5 – Procure alternativas as grandes redes para a compra de produtos de consumo intensivo e que podem ser comprados em quantidades maiores (produtos de limpeza, higiene pessoal, enlatados, etc..). Os chamados ATACAREJOS (Assai, Sums Club, Makro, etc..) podem ter preços mais em conta para uma série destes produtos.
6 – Se Possível, pesquise preços e promoções pela internet antes de ir as compras.
7 – Evite estocar alimentos
8 – Faça uma compra mensal, que agregue os produtos básicos de uso freqüente e duas ou três compras semanais durante o mês. Produtos perecíveis como frutas, verduras e hortaliças devem ser comprados em pequenas quantidades.
9 – Não utilize o cartão de crédito para efetuar o pagamento. De preferência para o débito ou leve dinheiro.
10 – Estabeleça um teto para o orçamento das compras. Isto ajuda a definir melhor os produtos e prezar pela qualidade e produtividade.
11 – Leve sempre uma calculadora e tente utilizá-la para controlar o que esta sendo adquirido.

Boa sorte!

Adolescentes gastam tudo que têm e até se endividam, diz pesquisa

Esta reportagem alerta para um problema latente em nossa sociedade. O desequilíbrio financiero dos jovens adolescentes que geralmente seguem o mesmo caminho dos pais.

Adolescentes gastam tudo que têm e até se endividam, diz pesquisa – Seu Dinheiro – EXAME.com.

Financiamento da Casa Própria: Não é tão barato assim!

O Governo Federal vem ao longo das últimas semanas enfatizando e criando condições mais flexíveis para acesso a financiamento de imóveis. Mas, com todo o empenho promovido, temos que observar alguns pontos importantes que podem influenciar nesta decisão, tais como:  se vamos dar entrada, qual o prazo do financiamento, qual a tabela de juros que o banco vai utilizar, qual o prazo de entrega do imóvel, quais e quanto serão as despesas administrativas e tantas outras.

Deixando o entusiasmo de lado, o esforço que vem sendo feito para aquecer o mercado imobiliário, não tem como objetivo principal facilitar a vida das pessoas e sim criar meios para que os bancos não desrespeitem algumas normas impostas pelo Banco Central. Estas regras servem para criar condições que se adequem aos prazos e  não excedam os limites que podem emprestar, asseguram a solidez do sistema e criam condições de captação de dinheiro para o Longo Prazo. Recentemente, somente a Caixa Economica Federal e o Santander estenderam para 35 anos mas, outros bancos devem seguir para manter a competitividade.

Mas vamos falar sobre o que interessa! Não é preciso dizer que o sonho de todos é ter a sua casa própria. O problema é que este provavelmente será o maior investimento que você fará ao longo de sua vida por ser um dos bens mais caros que o dinheiro pode comprar.

Porém, a forma mais vantajosa de adquirir a casa própria é À Vista e em Dinheiro e nenhuma forma de financiamento será mais vantajosa do que manter a disciplina do orçamento familiar, de fazer uma poupança para efetuar o pagamento. Mas, não temos este hábito como parte da nossa vida. Precisamos recorrer a um financiamento, que já faz parte da cultura do brasileiro. Não quero dizer que seja errado, pelo contrario, digo apenas que é mais oneroso e requer uma disciplina mais rígida para controlá-lo.

Aqui vai uma dica: Antes de contrair a dívida faça a conta do impacto do aumento do prazo oferecido pelo banco nas parcelas e no valor final a ser pago. Observe que alem dos juros, também é adicionado ao financimaneto o custo do seguro do imóvel. Abaixo segue um exemplo para um financiamento para um imóvel avaliado em R$ 200.000,00, localizado na cidade de São Paulo, prazos são de 30 anos e 35 anos simulados na Caixa, que atualmente oferece a taxa de juros mais competitiva:

360 meses 420 meses
1. Juros Nominais 8,00% a.a. + TR 8,00% a.a. + TR
2. Juros Efetivos 8,29999% + TR 8,29999% a.a. + TR
3.Prestação R$ 1.800,60 R$ 1,729,17
4. Custo efetivo Total a.a. 9,9716% a.a. 10,0833% a.a.

Observe que o aumento do prazo em 5 anos, não reduz o valor da parcela significativamente. Vamos estabelecer alguns passos para tentar fazer a melhor escolha:

Primeiro Passo: Definir o imóvel dos seus sonhos e conheça as linhas de crédito disponíveis que se adéqüem a sua realidade financeira. No site de todos os bancos, existe um simulador que auxilia a encontrar a melhor forma de financiamento e que seja compatível com sua renda e o valor do imóvel. Abaixo, segue link onde você poderá encontrar todos os bancos e poder comparar.

http://simuladores.imovelpro.com.br/

Segundo Passo: Apos conhecer todos os tipos de financiamento disponível, comparar as taxas de juros cobradas entre os bancos, você precisa reunir a documentação necessária para efetivar o financiamento. Aqui serão reunidos dados cadastrais pessoais, dados do imóvel, dados do vendedor ou construtora e, caso seja utilizado, a documentação necessária para a utilização do FGTS.

Nesta do processo, os bancos vão solicitar o pagamento de uma taxa para a avaliação cadastral que gira em torno de R$ 800,00 e que, obviamente você pode negociar para que não seja cobrada.
A documentação exigida não varia muito entre os bancos porém, ela é extensa e detalhada. Aqui eu recomendo a utilização de um Documentista, profissionais especializados, com conhecimento de todas as rotinas, documentos e prazos exigidos. Atualmente, os bancos dispõem destes profissionais e este custo também pode ser negociado.

Terceiro Passo: Imóvel escolhido, financiamento definido, documentação entregue e aprovada, agora vem a assinatura e liberação do contrato de financiamento. Os prazos para registro da escritura provisória e para a liberação do pagamento para o vendedor do imóvel, leva em media 30 dias e será efetuado pelo banco. Até a quitação do imóvel, todas as obrigações tributárias serão de responsabilidade do mutuário e, em alguns casos, o atraso do pagamento destes tributos podem causar problemas podendo ocasionar o cancelamento do financiamento e, caso seja necessário, a venda do imóvel para quitação de todas as pendências.

Palestra: Educação Financeira – Uma Questão Comportamental

%d blogueiros gostam disto: